Papa Francisco, Falso Profeta?

É difícil encontrar quem não goste do Papa Francisco. Ele é bonachão, gente boa, humilde, amigo dos pobres, não gosta de riquezas e opulências, não implica com os homossexuais e nem com os abortistas. Dizem até que ele vai andar de fusca, e como se pode ver na foto acima, gosta de coisas simples. Maravilha, não é mesmo?

E se eu lhe disser que o Papa Francisco veio para destruir a igreja católica e blasfemar contra Cristo, você acreditaria? É verdade, e é como católico que eu lhe digo isso.

Francisco é o representante da maçonaria infiltrada na igreja, que finalmente conseguiu eleger o seu papa. É duro dizer, mas o demônio chegou ao papado. Ele é a besta do Apocalipse 13-11 ”que se veste como um cordeiro (símbolo de Cristo), mas fala como um dragão” (blasfema contra Deus).

Você lembra o que Paulo VI disse? “A fumaça de satanás de infiltrou na igreja”. E agora chegou ao seu vértice.

João Paulo I foi assassinado com apenas trinta dias de pontificado, lembra? Tentaram matar João Paulo II logo no início de seu pontificado com um tiro à queima roupa, lembra? E Bento XVI, coitado, foi tão perseguido que acabou tendo que renunciar, como se fosse um incompetente. Escândalos e mais escândalos estouraram em seu pontificado. Até seus documentos pessoais foram roubados, para poder chantageá-lo.

E agora com Francisco não existem mais escândalos sexuais nem financeiros. A mídia, controlada pela maçonaria o está endeusando, fazendo dele um ídolo, um líder inovador, um mito. Reis, rainhas e governantes têm vindo beijar o seu anel, em reverência a “sua santidade”. Que mudança brusca, não é mesmo?

Mas o que deseja Francisco? É simples: a luta entre Deus e o diabo continua. Como o diabo sabe que nada pode contra Deus, passar um tempinho sentado na cadeira de Pedro já está bom, pois de lá ele pode “abrir a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar o seu nome, o seu tabernáculo e os habitantes do céu” (Apoc. 13-6).

Outra missão de Francisco é facilitar o surgimento do anticristo, pois ele trabalha segundo as ordens deste, pois está sob sua vigilância, como vemos em Apocalipse 13-12. Foi primeiro preciso “ferir o pastor” (Zacarias 13,7), ou seja tirar Bento XVI, para que as ovelhas fossem dispersas (os fies). A partir de agora haverá uma grande confusão e divisão dentro da igreja católica e no mundo todo, e no meio desta confusão surge o anticristo apoiado por Francisco, que aliás já declarou que o microchip (marca da besta) é benéfico para a humanidade, não existindo na Bíblia nada que impeça o seu uso (será que Francisco já leu o Apocalipse alguma vez?)

Outra missão suja de Francisco: promover o aborto e o homossexualismo no mundo. Estes dois pecados são abominações e dão poder à satanás. É por isso que tem dinheiro à vontade para promover parada gay no mundo todo e para praticar o aborto. No Brasil o próprio governo paga o médico para a mulher que queira abortar. Recentemente Francisco afirmou que os católicos são “obcecados” com o aborto e o homossexualismo. Sublimarmente ele disse: “esqueçam aborto e homossexualismo”. Aliás, quando esteve no Brasil Francisco não fez nada para evitar o aborto, cuja lei já estava pronta, e que agora foi assinada por Dilma.

Francisco está usando mensagens sublimares, para blasfemar contra a igreja, para ser mais claro, para avacalhar mesmo com ela.

Quando perguntado pela repórter o que achava do lobby gay dentro do vaticano, Francisco respondeu: “ser gay não tem problema”. E deu uma grande pausa. E depois continuou: “o problema é o lobby gay”.

A mensagem sublimarmente passada: o homossexualismo está liberado. Resultado: explosão do homossexualismo no mundo, tendo sido Francisco eleito o “homem do ano”, pela maior revista gay dos estados unidos. Eu já vi, na missa, vários casais gays se acariciando como se fosse a coisa mais normal do mundo. E ninguém pode falar nada, pois Francisco liberou, mesmo que sublimarmente.

Mas o pior de tudo é que Francisco está atentando contra o sacrifício de Cristo na Cruz. A blasfêmia maior de todas é a de negar o culto devido só a Deus para dá-lo às criaturas e ao próprio satanás.

Cristo derramou seu sangue na cruz para nos salvar. Foi para pagar o pecado de Adão e nos reconduzir ao Pai que Cristo se sacrificou por nós.

Agora, Francisco está anulando o sacrifício de Cristo. Recentemente ele disse: “não é preciso converter ninguém. Ajude o pobre e vá embora”.

Esta afirmação pode parecer bonita e caridosa, porém, ela elimina o sacrifício de Cristo.

Ajudar o pobre, o menor abandonado, o doente, a viúva desamparada e todos aqueles que precisam, é uma conseqüência do amor à Deus. Se amo à Deus, também amo ao meu próximo, e consequentemente o ajudo naquilo que ele precisa. Enquanto esteve na terra, Cristo ajudou intensamente os necessitados. Ajudar ao próximo é uma excelente atitude, que vai ajudar no nosso julgamento diante do Pai, pois “seremos julgados pelas nossas obras” (Rom 2-6).

Mas veja bem, o que salva não é a caridade. Jesus quando enviou os doze apóstolos disse: “Ide ao mundo e pregai o evangelho à toda criatura da terra. Aquele que crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer será condenado” (Marcos 16-16).

Cuidado, você pode passar a vida toda fazendo caridade e ir para o inferno.

E é isso que o papa Francisco quer, lhe levar para o inferno. Ele quer tirar Cristo do centro e colocar os pobres, mas pobre não salva ninguém, quem salva é Cristo.

Outra armação pesada de Francisco: “todas as religiões levam a Deus”. Parece bonito não é mesmo? Assim sendo, você pode ir na macumba, que lá você irá encontrar a Deus também.

Mas pense nisto: só Cristo morreu na cruz, logo, o caminho para o céu, é somente através dele. Você já viu algum Buda crucificado? Maomé foi pra cruz? E Alan Kardec, passou por lá? Veja o que disse o próprio Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida;ninguém vem ao Pai senão por mim (João 14,6).

Repetindo o que disse Jesus:” Ninguém vem ao pai senão por mim”.

Cuidado: quando Francisco anunciar a criação da igreja ecumênica mundial, unindo todas as religiões, não caia na lábia dele. O que ele quer é lhe afastar de Cristo e levá-lo à Satanás.

Aqui novamente Francisco está querendo lhe levar para o inferno. Siga um caminho diferente ao de Cristo e você vai ver onde vai parar.

Aliás, recentemente Francisco disse que o inferno não existe mais. O que ele quer, é que você não creia mais na existência do inferno, para lhe mandar para lá.

“Roma perderá a fé, e converter-se-á na sede do anticristo". Sabe quem disse isto? Parece coisa de fanático, não é mesmo? Mas esta afirmação é de Maria, mãe de Jesus e nossa, em La salette, França em 1846, aparição reconhecida pela igreja. Veja a mensagem completa (http://www.rainhamaria.com.br/Pagina/366/Os-Segredos-de-La-Salette), você vai se surpreender.

Na verdade, a partir de La Salette, Maria antecipou o que iria acontecer no mundo. Em Fátima, Portugal, em 1917, Maria disse que o demônio se infiltraria até o vértice na igreja, além de ter previsto o fim da primeira guerra, a expansão do comunismo e o início da segunda guerra. Acredita-se que o fato do demônio ter chegado ao papado, faça parte do terceiro segredo de Fátima, que na verdade não foi divulgado.

Em Akita, Japão em 1973 Nossa Senhora disse: "O Diabo se infiltrará até mesmo na Igreja de tal um modo que haverá cardeais contra cardeais, e bispos contra bispos. Serão desprezados os padres que me veneram e terão opositores em todos os lugares. Haverá vandalismo nas Igrejas e altares. A Igreja estará cercada de asseclas do demônio que conduzirá muitos padres a lhe consagrar a alma e abandonar o serviço do Senhor".

Eu já vi dois padres, em uma emissora católica, em rede nacional, incentivar o casamento civil gay, e ainda citam as encíclicas do papa Francisco para justificar tal abominação. O que os padres não dizem, é que os afeminados vão para o inferno, pois “não vos enganeis: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os devassos, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os difamadores, nem os assaltantes hão de possuir o Reino de Deus” (1Cor 6, 9-10), e também Apoc 21.8: Os tíbios, os infiéis, os depravados, os homicidas, os impuros, os maléficos, os idólatras e todos os mentirosos terão como quinhão o tanque ardente de fogo e enxofre, a segunda morte. Se você ler as mensagens marianas como La Salette, Akita, Fátima, Lourdes e outras, vai se surpreender com o que Maria tem dito. O problema é que Deus e sua mãe foram esquecidos por esta geração.

Assim sendo, o aviso foi dado. Muita coisa ainda vai acontecer daqui para frente. Fique atento pois Cristo realmente está voltando para instalar seu definitivo reino de amor. Não fique de fora.

Movimento de Resistência Católica Viva Bento XVI

Obs: Leia as postagens anteriores clicando em "Postagens Mais Antigas", no final do Blog ou "LEIA ARTIGOS ANTERIORES" e escolha o mês, abaixo.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

PAPA FRANCISCO: PARTE INTEGRANTE DO PLANO GLOBAL DA NOVA ERA


A Heresia conhecida como panteísmo e o panenteísmo de Bergoglio: Entendendo o que ele tem em mente no seu plano de reunir todos os homens em uma única religião mundial, através da evangelização da síntese conhecida como inculturação para criar uma nova fé cultural que abraça todas as culturas.




http://4.bp.blogspot.com/-4Ej5xLIkQbg/VhQBAlUBs0I/AAAAAAAACZY/jZItSybqKdA/s640/Nova%2BOrdem%2BMundial%2B%25285%2529.jpg



Por Padre Joseph Maryam, Tradução: Ismael Campos
“Em busca de um novo inimigo que nos uma, nós viemos com a idéia de contaminação, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e coisas semelhantes que se encaixam no projeto” (“A Primeira Revolução Global”, um relatório do Conselho de Administração do Clube de Roma por Alexander King e Bertrand Schneider, 1991).
Nós viemos com a ideia: e montamos todo um negócio com o aquecimento global. Uma mentira científica que dá milhões para a elite luciferiana, que é o que governa o mundo em todos os âmbitos.
Bergoglio tem escrito a fábula de sua Laudato Si sobre esta mentira e que lhe traz milhões.
Dele, há dito que é “o homem mais perigoso do planeta”, que “vai criar um cisma na Igreja”, que é um “lobo, uma pessoa má”.[1]
Isto foi dito por pessoas que não são religiosas, mas que sabem de política. E Bergoglio é um homem de política que não sabe o que está dizendo. Um mal político, que se mete em assuntos que não são de sua incumbência, que se enfrenta a todos os capitalistas do mundo para colocar o seu comunismo como salvador da economia e da política mundial.
Um grande golpe tem sido esta falsa encíclica para Bergoglio. E agora é necessário, mandando a toda a Hierarquia que diga em suas missas que esta fábula tem que ser lida e regala a toda a família.
Eles têm que fazer alguma coisa para levantar Bergoglio de onde ele caiu.
Eles estão no projeto de uma nova humanidade, renovando assim o pecado original de Adão.
Eles têm que inventar um gigante como um inimigo da humanidade. E tem que fabricar um Dom Quixote, uma nova humanidade, para que lute contra esse gigante.
Um inimigo que não existe: o aquecimento global. É um moinho de vento, mas o apresentam como um gigante a destronar. Porque o que importa, para criar essa humanidade, é algo que uma a humanidade, algo pelo qual a humanidade lute globalmente.
Bergoglio é parte integrante deste plano global que tem por objetivo a instauração de uma Única Religião Mundial que apóie o Único Governo Mundial.
Bergoglio e a elite luciferiana são uma mesma coisa.
A elite luciferiana é esta elite de eleitos que querem governar um mundo dividido em 24 regiões, com sua própria moeda, leis e força policial (cf. Gerald e Patricia Mische, Toward A Human World Order: Beyond the National Security Straitjacket, New York: Paulist Press, 1977).
É uma elite que se crê que é a mais avançada forma de humanidade: uma raça inteligente, civilizada, solidaria, competente, que se sabe controlar a si mesma com o fim de exercer o domínio sobre os demais. Se crêem superiores a todos os homens. Se crêem no direito de mudar o mundo apenas para o que eles pensam.
E não se fala da capacidade individual de cada pessoa, nem de sua liberdade, nem de sua consciência individual, nem de uma conversão pessoal:
“... não basta que cada um seja melhor para resolver uma situação tão complexa como a que afronta o mundo atual” (LS – n. 219): não querem santos para resolver os problemas do mundo. Não querem homens que sigam os Mandamentos de Deus. Não querem uma humanidade que se submeta à Vontade de Deus, mas uma humanidade que se submeta à vontade de uns poucos homens.
É tudo tão complexo “que não há forma de satisfazê-los com suas possibilidades de iniciativa individual e de uma união de particulares formados no individualismo” (ibid.). não querem homens que pensem, que sejam regidos por suas idéias particulares, que sejam indivíduos responsáveis por suas vidas. As empresas familiares não salvam o planeta. O que você pensa, o que você faz, seu trabalho, não vale para salvar o mundo. É o pensamento global a solução da situação tão complexa que afronta o mundo atual.
Querem homens “cata-ventos” de pensamento e de linguagem humana, que obedeçam cegamente o que esta elite propõe com sua ineligência humana vazia, que não pensem, que não decidam, que não ajam livremente. Eles querem escravos de uma idéia global. Escravos de uma mentira. E que a mentira seja chamada como verdadeira a obedecer cegamente. Querem homens a quem eles possam fazer uma lavagem cerebral, que permitem manipular por suas de uns poucos mestres iluminados.
Por isto, há que converter os homens a sua idéia ecológica, há que pregar uma conversão comunitária, global:
“A conversão ecológica que se requere para criar um dinamismo de mudança duradoura e também uma conversão comunal” (LS – n. 219).
Mudança duradoura: ir buscando um governo mundial, uma estrutura mundial, e que dure sempre. Não vão buscando qualquer filosofia de vida. Não buscam uma teoria. Não vale as idéias filosóficas do governo mundial buscam um projeto demoníaco: o mesmo que Satanás tinha no Paraíso e que seguiu Adão.
Sempre o homem cai na mesma pedra.
Falam de conversão ecológica, comunitária, porque não há pecado como ofensa a Deus, mas somente o pecado como uma ofensa à inteligência desta elite, o pecado como ofensa à criação.
Essa elite luciferina inventou os problemas do mundo durante milênios. E agora querem uma mudança radical no modo de vida de todos os homens. Querem implantar um governo mundial e que seja para sempre, que seja eterno. Um governo mundial para criar a humanidade que eles querem. Uma humanidade que dê culto à terra, que cuide da terra.
Para isto, necessitam de uma conversão comunitária de toda a humanidade a sua idéia de governo mundial. O homem tem que deixar sua mentalidade de conversão a Deus. Está em jogo a saúde da Mãe Terra. O homem tem que pensar sobre a ecologia, não em sua vida espiritual, não em sua vida humana, não em seus problemas pessoais.
Necessitam que o homem aceite essa mudança, que é para sempre. E, porque conhecem a rebeldia dos povos, em seguida, a base de guerras, de crises econômicas, de enfermidades que não se curam, de vírus para matar os homens que não aceitam essa mudança, vão impor aos que sobrevivam a essa estrutura mundial.
Este projeto de governo mundial vem com sangue, com perseguições. Não se instala porque alguns pensam que é uma coisa muito boa. Se impõem a todo o mundo. E o que é imposição é sempre do demônio.
Querem dominar o planeta: para isso tem que dominar os homens, a suas inteligências humanas, a suas vontades.
Eles não procuram a idéia no homens, na filosofia, na teologia, mas a sujeição dos homens para a sua idéia geral. Não buscam, no diálogo, criar uma filosofia de governo mundial. Buscam submeter as inteligências de todos os homens a uma lei do pensamento gradual, que é uma clara tirania, que leva a um feudalismo selvagem.
Três coisas são a chave do novo governo mundial: evolução da mente, a consciência de Deus e a autoridade mundial (exceto patriotismo).
Se prega a evolução da mente humana: o homem tem que alcançar a ideia global: “a realidade é mais importante do que a idéia” (EG – n. 231). Você tem que chegar a essa realidade, que é uma perfeição na mente do homem, algo não verdadeiro, que é mais importante que a ideia dogmática, que é o magistério autêntico e infalível da Igreja.
Se vai em busca da realidade da existência humana: é o que o homem vive e como vivemos, é o que o homem pensa e como pensamos, é o que o homem trabalha e como trabalhamos.
Essa realidade, essa existência humana, é mais importante que as diversas idéia. Ele é o homem que se coloca acima da mesma verdade. O homem fez verdadeiramente para si mesmo, que é uma abominação.
Para esta elite, a mente humana é capaz de sintetizar a religião, a filosofia, a ciência, a psicologia. Sintetizar.
Evangelizar a síntese, não a Palavra de Deus, não a Verdade Abusoluta:
“O desafio de uma pregação inculturada está na evangelização da síntese, não idéias ou valores soltos. Onde está sua síntese, ali está seu coração” (EG – n. 143). Onde está a sua mentira, a sua verdade relativa, a sua síntese, ale está seu coração fechado para a verdade, longe de Deus, vivendo a estupidez de seu louco pensamento.
Evangelizar síntese, não idéias, não de dogmas. Não há que dar na Igreja o magistério autêntico e infalível. Há que jogar a todos a doutrina dos maçons, dos protestantes, da teologia da libertação. Há que fazer uma lavagem cerebral em toda a massa idiota dos católicos. E nós temos que fazer a Hierarquia ser responsável por esa massa. Essa massa obedece somente a Hierarquia.
É a única maneira de chegar a uma unidade entre todos os homens, que pensam a vida de forma diferente, diversa. Não mais interessa a verdade absoluta que leva a excluir aqueles que não submetem à verdade divina. Somente interessa o puro relativismo, a pura mentira, que conduz a unir todos os homens, não em uma idéia, mas em uma realidade existencial.
É a fé em desenvolvimento, buscando a perfeição que só acontece na união das mentes dos homens, aceitando idéias, da vida, das obras do outro. É a sua mentira viva e deixa o outro viver sua mentira. Viva a sua vida como queiras e deixa o outro viver sua vida como lhe pareça.
Desta maneira, a fé católica é destruída e aparece a fé cultural, a fé construída na aceitação de todas as culturas, de todas as idéias, a fé na capacidade “para criar uma nova síntese cultural” (EG – n. 211), uma fé inculturacionada, o credo da fraternidade. A também chamada fraternidade universal.
É a “inculturação entendida como evangelização” (EG – n. 122): uma síntese entre a fé e a cultura, o dogma evolui para novas ideias que as pessoas vivem em suas culturas.
Desta forma, você começa a perfeição do conhecimento humano, reconciliando todas as religiões sob um sistema de idéias a respeito, sujeitos à leu da gradualidade, subjugados na perfeição da inteligência humana.
Essa síntese é a idéia geral, a consciência global, “é arealidade que é superior à idéia” (EG, n. 231).
Não é a sua ideia de que importa em sua vida: é a consciência global, a ideia global, a realidade de um mundo unido na maior tirania possível. Um mundo em que será impossível viver naturalmente, porque tudo será controlado pela razão humana. Haverá polícia para tudo. Ninguém poderá buscar um bem privado, por si mesmo. Quem buscar, vai ter que morrer, porque não servirá para a realidade que supera toda a ideia.
A evolução da mente humana leva o homem a duas coisas: o panteísmo e panenteísmo.
Para conseguir esta realidade deve impor a idéia panteísta de que todos somos um com tudo, incluindo a natureza. E a idéia panenteísta de que tudo está em Deus.
“O universo evolui em Deus” (LS – n. 233): Todo o universo está evoluindo em sua consciência divina. Isto é o que significa esta frase significa. Temos de elevar a matéria da divindade; tem que fazer do homem um deus; devemos dar a cada parte da natureza a possibilidade de ser deus.
Tudo está evoluindo, desenvolvendo: o universo tende a ser o mesmo Deus. Vai crescendo em Deus, e vai tomando consciência de que é Deus. Há que dar ao universo um cérebro e um coração.
“Depois, há mística em uma folha, em um caminho, em um orvalho, no rosto dos pobres” (LS – n. 233). Há conhecimento divino em uma folha, em uma pedra, no mar, nas aves. Há uma consciência global em todos os seres do planeta. Este é o panteísmo e o panenteísmo de Bergoglio. Tudo é Deus; tudo está em Deus. Tudo permanece em Deus. Tudo é um mistério divino, algo sagrado, um sacramento. O mundo é um sacramento:
“Os cristãos são chamados a aceitar o mundo como um sacramento de comunhão, como forma de partilha com Deus e com o próximo em uma escala global” (LS – n. 9). O mundo é um sacramento, é algo sagrado, algo divino. Tudo é Deus; tudo está em Deus. Aceitar o mundo como sacramento, como divino, sagrado, como mistério de comunhão: “... formar com os demais seres do universo uma preciosa comunhão universal” (LS – n. 221).
Somos interdependientes e estamos interrelacionados, vivendo em cidades que são globais, que são planetárias, que são para todos. Com problemas que são de todos. Não há problemas particulares, não há soluções particulares. Porque tudo é comum, global, universal.
Ele vai obrigar o homem a agir como membro de uma comunidade mundial, consciente dos outros, mesmo da natureza.
Devemos amar os gatos, as aves, o sol, a água porque somos um com eles, estamos conectados: “Tudo está conectado” (LS – n. 117).
“Cristo tomou sobre si mesmo neste mundo material e agora, ressuscitado, vive nas profundezas de cada ser, cercando-o com seu amor e com sua luz penetrante” (ibid.). Cristo habita no íntimo de cada ser: puro panteísmo.
Só o homem tem a Deus em seu interior, porque foi criado à imagem e semelhança de Deus. As demais criaturas “são sombras, ressonâncias e pintura daquele primeiro princípio poderosíssimo, sapientíssimo e ótimo, daquela origem, luz e plenitude eterna, e daquela arte eficiente, exemplante e ordenante” (São Boaventura. Itinerário da Mente para Deus, c. 2, n. 11).
Ou seja, nas demais criaturas não habita Cristo: “... são, em uma palavra, exemplares, ou melhor, cópias propostas das almas ainda ásperas e materiais, para que das coisas sensíveis que vêm se transladem para as coisas inteligíveis quanto ao significado do sinal” (Ib).
É a grande blasfêmia de Bergoglio: globalmente, todos somos deuses, tudo está divinizado, todos temos uma consciência de ser deus, porque Jesus há metido no universo um germe de transformação definitiva:
“... todas as criaturas do universo material encontram seu verdadeiro sentido no Verbo encarnado, porque o Filho de Deus há incorporado em sua pessoa parte do universo material, que introduziu um germe de transformação definitiva” (Ls – n. 235). A planta, o animal, a rocha, a terra, etc... não tem sentido em si mesmos, mas no Verbo encarnado, que deu em sua pessoa parte do universo. Maior blasfêmia não se pode dizer em tão poucas palavras. É a consciência de Deus que está no Universo é o que diz aqui Bergoglio.
Esta é a realidade que está acima de toda idéia. Uma realidade monstruosa que tem a raiz panteísta inscrita nas profundezas do seu ser. Todos somos deuses. Todos estão em Deus. Deus vive em cada partícula do Universo.
Esta elite luciferina traz a humanidade a este panteísmo: vai em busca da consciência de Deus. Isto é, a divindade é para todos, mesmo para a mesma natureza material. Isto significa inventar-se para o universo, para a terra, uma consciência, um cérebro, uma vontade que não se pode ter.
Temos que elevar toda a matéria, toda a criação, a divindade, a realidade de que é divina por si mesma. Há que criar uma família humana divina, sagrada:
“... Todos os seres do universo estão unidos por laços invisíveis e estabelecemos uma espécie de família universal, uma comunhão sublime que nos move a um santo, amoroso e humilde respeito” (LS – n. 89).
Somos uma família universal, uma nova espécie criada pela mente do homem que não existe na realidade: a rocha, o mar, o fogo, a planta, o animal, o homem... Esta é a fábula que vende Bergoglio em sua falsa encíclia.
Há uma união invisível com todas as criaturas, na qual produz uma família universal, uma comunhão tão sublime que a gente fica com a boca aberta para entender que amando a uma pedra, a um gato, a um homem adquire seu sentido na vida.
Nesta estupidez vem Bergoglio, que pertence a essa elite de pessoas super-inteligentes, que não tem nada mais o que fazer da vida senão inventar com conto de fadas para recolher dinheiro para seus malditos pobres do comunismo.
Bergoglio lamenta a extinção das espécies, lamenta a criação material:
“... A desertificação da terra é como uma doença para todos, e lamentamos a extinção de uma espécie como se fosse uma mutilação” (LS – n. 89; EG – n. 215). Se o sol queima mais, então neste assunto aparece uma doença que mata a vida. Se as árvores são cortadas, então neste super-idiota, se dá um grito de angústia e de lamento porque sofre uma mutilação: teria sido arrancado de sua vida algo tão íntimo quando cortar a árvore.
Nesta brutalidade, nesta estupidez, nesta loucura, vem este homem a quem a massa de idiotas católicos chama papa.
Há que buscar a unidade de toda a existência humana: os homens, porque existem (não porque são), tem que estar unidos:
“Necessitamos fortalecer a consciência de que somos uma só família humana. Não há fronteiras nem barreiras políticas ou sociais que nos permitem isloar-nos...” (LS – n. 52).
Fortalecer algo que não existe na realidade: a consciência de que somos uma só família humana. Esta idéia é herética, vai contra o dogma do pecado original.
O homem se dividiu no Paraíso, quando Adão pecou. E uns são filhos de Deus, e outros são filhos dos homens. Não há uma só família humana. Há um só pecado original, que vive de um só homem: Adão.
O homem é o que ele é, é como havia sido criado por Deus: uma pessoa para um fim divino. Uma pessoa com uma vida privada. Uma pessoa com uma responsabilidade por seus atos. Uma pessoa que é para os demais, não que existe para os demais.
O homem não havia sido criado para ser família, para estar em uma família, mas para fazer a família de Deus. Adão se negou a dar a Deus os filhos que Deus lhe pedia. Seu pecado dividiu a todo o gênero humano:
“O gênero humano, depois de apartar-se miseravelmente de Deus, criador e doador de todos os bens celestiais, por inveja do demônio, foi dividido em dois campos opostos, um dos quais lutam incansavelmente para a verdade e a virtude, e o outro luta por tudo que é contrário à virtude e à verdade. O primeiro campo é o reino de Deus na terra, isto é, a Igreja verdadeira de Jesus Cristo... o outro campo é o reino de Satanás. Sob a sua jurisdição e poder se encontram todos os que, seguindo os seus funestos exemplos de seu líder e de seus primeiros pais, se negam a obedecer a lei divina e eterna e empreendem muitas obras prescindindo de Deus ou combatendo contra Deus... Ao longo dos séculos, eles têm lutado entre si com diversas armas e várias táticas, embora nem sempre com o mesmo ímpeto e ardor. Em nossos dias, todos os que favorecem o pior campo parecem conspirar a um e lutar com maior veemência sob a orientação e ajuda da Maçonaria, sociedade amplamente dilatada e firmemente constituída em todas as partes. Sem mais esconder seus propósitos. Se levantam com grande coragem contra a majestade de Deus. Maquinam abertamente a ruína da Santa Igreja com o propósito de retirar inteiramente, se pudessem,os povos cristãos dos benefícios que lhes valeu Jesus Cristo, nosso Salvador” (Humanun Genus, n.1).
O gênero humano foi dividida em dois campos opostos: não somos uma única família. É a família de Deus; é a família do demônio. E cada homem tem que escolher sua família. Cada homem é livre para ser filho de Deus ou ser o filho dos homens.
Não somos uma única família.
Somos pessoas humanas, individuais, singulares, intangíveis, incomunicáveis. Então, há fronteiras, há barreiras políticas, sociais. O homem depende absolutamente de Deus. Portanto, ele vive para o que Deus o criou. E sua vida é sempre uma escolha: ou Deus ou o demônio. E, por isso, temos que colocar divisão, espada; temos que delimitar os campos. Nem todos querem a Deus; muitos preferem o campo do demônio.
Não existe a consciência de que somos uma única família humana. Cada pessoa humana tem sua consciência individual, intangível, incomunicável. E cada pessoa escolhe a quem quer servir na vida.
Os homens inventam uma consciência global porque vivem no panteísmo de sua razão humana: na mente dessa elite todas as idéias dos homens são uma só coisa, se reúnem em uma única realidade, porque o homem é um deus sobre a terra. E há que buscar a humanidade que queira esta realidade, este idealismo puro, que não se detém nas diversas idéias, que é o que divide os homens.
“... o que convoca é a realidade iluminada pelo raciocínio” (EG n. 232). O que atrai as pessoas é essa realidade que a mente do homem descobre. Acaba a fé que ilumina a razão. Acaba a vocação divina.
É a realidade que ilumina a mente, que esclarece a mente do homem. Uma realidade mental, não real. Uma realidade inventada pela mente do homem porque não se baseia na realidade do ser de Deus, na lei de Deus, na Autoridade divina. Só se apóia em si mesma. Tudo está iluminado por raciocínio: o culto da mente do homem. Racionalismo selvagem.
É necessário por nos homens a idéia de que “obrigue a pensar em um só mundo, em um projeto comum” (LS – n. 164), de ter “a consciência amorosa de não estar desconectados das demais criaturas, de formar com os demais seres do universo uma preciosa comunhão universal” (LS – n. 220).
Eles buscam a sua nova humanidade: homens inteligentes que não vivam para procriar, mas para exercer o domínio de sua inteligência sobre os demais.
Buscam mestres que iluminem os homens com a luz da inteligência racional. Buscam uma consciência do absoluto, uma consciência total de Deus, um conhecimento da divindade que está escondido na maioria dos homens, porque só vivem para alimentar e procriar a razão humana, pelo que só está aberto para os seres inteligentes que põem a fé na auto-perfeição da inteligência e da vontade humanas.
Para esta elite, o homem é homem porque existe, não porque é.
Para Bergoglio o homem não significa nada, não tem essência, não tem valor em si mesmo. Por isso, ele diz que a alma se aniquila uma vez que o homem morre.
E como o homem somente tem valor em sua existência, e não na sua essência, então tem que buscar uma humanidade com uma só alma, com uma só mente para todos os homens, sem deixar lugar para a responsabilidade pessoal, sem direito à propriedade privada, sem dar importância a pessoa humana. Só fixos na natureza humana comum. Somos humanidade. Isto basta para ser homens. Pensemos no bem comum, na idéia comum, na mente comum, na vontade comum. Busquemos a realidade que supera toda idéia.
Isto é chamado de heresia do monopsiquismo: uma só psique, uma só razão, uma consciência comum, que está em todos os homens:
“Faz falta a consciência de origem comum, de uma pertença mútua e de um futuro compartilhado por todos” (LS – n. 202).
A consciência de origem comum. Por acaso, Deus é a origem comum de todo homem? Não. A origem comum não é Deus, mas a humanidade.
Uma humanidade a que todos pertencemos. Com um futuro que é comum. Nada é pessoal. Não se vive para uma vocação particular, divina, mas se vive para um pensamento global, universal, uma vida para todos. Uma vida escravizada ao que uma elite de superdotados pensa.
A pessoa desaparece para dar lugar a uma massa de pessoas. Gente que só uma idéia em sua cabeça: obedecer o que digam os homens. Aceitar, sem hesitar, ao que a elite dos eleitos propaga.
Para conseguir este absurdo mental, é necessário que os homens aceitem todas as idéias relativas, sem julgar nem condenar a nada do que ele pense. Esta é a diversidade que prega Bergoglio. É o afã de seu diálogo, que não se apóia na verdade absoluta, mas somente no jogo da razão humana, da linguagem humana.
Bergoglio vai buscando essa humanidade unificada na consciência global, na mentalidade de um mundo unificado:
“... um evangelizador foi libertado da consciência isolada...” (EG – n.282). O evangelizado está em diálogo com o mundo, com a mente dos homens. Está na consciência global. Se liberou da consciência isolada. Então, tem que viver para um bem comum, não para o bem privado, não para sua pessoa, não confinada nos limites da sua própria língua, não isolada em seu próprio conhecimento:
“Quem se apropria de algo é apenas para gerenciá-lo para o bem de todos. Se não o fizermos, carregamos na consciência o peso de negar a existência dos outros” (LS – n. 95). Você não pode ter a sua propriedade privada que, pela lei natural, por criação divina, todo homem tem direito. O que é seu não pode administrar para ti, mas para os demais.
Na nova humanidade que querem criar só existe a consciência global: se não vive para dar ao outro o bem que ele merece, então nega a existência do outro. Grande blasfêmia. Não querem homens que se isolam em seus pensamentos e seu próprio absoluto conhecimento. Por isso, em que enfrentar toda a Igreja Católica, 20 séculos de dogmas e de magistério autêntico e infalível. Tem que derrubar a Igreja Católica.
Só querem algo abominável, que é a consciência de seu pecado.
“A corrupção do melhor é a pior de todas”: a autoridade global é o resultado da corrupção de toda a Hierarquia da Igreja.
Não se pode chegar a um governo mundial se a Hierarquia não tem sido capaz de trair a vocação divina a que tem sido chamada na Igreja.
É aí que toda a Hierarquia da Igreja quer obedecer a mente de um herege e executá-la.
Logo, o mundo terá seu governo mundial graças à Hierarquia da Igreja.
Para fazer que um falso papa promova o governo mundial das Nações Unidas, é necessário antes que esse falso papa levante a religião mundial, que será a síntese de todos os pensamentos dos homens. Tem que pegá-los todos e formar uma idéia global que sirva, que encaixe em cada mente humana. Desta maneira, aparece o Anticristo com o seu governo mundial esse faz para sentar no Trono de Pedro, como o Messias esperado.
A esta abominação que querem chegar.

Referências
[1] http://maedasalvacao.blogspot.com.br/2015/10/papa-francisco-pessoa-mais-perigosa-do.html

Fonte: https://josephmaryam.wordpress.com/2015/07/25/bergoglio-parte-integrante-del-paln-global/
 
Visto em:http://maedasalvacao.blogspot.com.br/2015/10/bergoglio-parte-integrante-do-plano.html

Um comentário:

  1. PAN TE ÍS MO, se como componentes do orbe -> na da +, na da -!

    ResponderExcluir